Equipe brasileira de CS-GO faz estréia da nova line na IEM Katowice e esquenta os motores para 2019.

O cenário de Counter-Strike:Global Offensive já começou fervendo e com isso, o inverno da gelada Katowice recebeu uma dose antecipada de calor no final de fevereiro. Entre tiros e molotovs, a cidade polonesa foi palco da primeira major de CS-GO do ano, a IEM Katowice 2019.

Assine nossa lista de e-mails para ter novidades nerds de alta qualidade, imediatamente, assim que forem postadas

O evento contou com a presença dos melhores times do mundo que disputaram a premiação de 1 milhão de dólares e a consagração com o posto de Legends. No final, a grande vencedora foi a Astralis mas para uma das equipes participantes, a MIBR, o campeonato foi muito mais do que isso. Para a equipe brasileira, o evento marcou o início de uma nova etapa. Um recomeço.

Começando pelo retorno de uma line-up 100% brasileira. No final do ano passado, Epitácio “TACO” de Melo e o coach Wilton “zews” Prado se juntaram novamente à Fernando “fer” Alvarenga, Marcelo “coldzera” David e Gabriel “FalleN” Toledo. Com isso a equipe estava quase fechada. O anúncio de João “felps” Vasconcellos no começo de 2019, trouxe para os jogadores e fãs a sensação de inteiro. A família, que já era conhecida desde 2017, estava finalmente completa.

Da esquerda para direita: felps, coach zews, fer, FalleN, coldzera e TACO Foto: MIBR/Reprodução.

Sendo assim, a major de Katowice foi o primeiro grande desafio oficial da line.

No confronto de estreia, a equipe brasileira não conseguiu encaixar algumas estratégias e terminou sendo derrotada pela Cloud-9 por amargos 16×3 no mapa Inferno. No twitter, os jogadores se desculparam e prometeram aos fãs resultados melhores e uma jogabilidade mais concreta. E eles cumpriram.

Nos jogos seguintes, a tímida MIBR já não existia mais. O que se viu foram jogadores muito mais concentrados e um time muito mais entrosado e maduro, reflexo dos 2 anos em que a line ficou separada. A MIBR venceu a Complexity por 16-9 na Mirage e a G2 por 16-12 na Inferno. E com destaque para da dupla TACOLD no confrontos contra a Ninjas in Pyjamas (nos mapas Train por 16-6 e Inferno por 16-14), a equipe brasileira terminou a primeira etapa do torneio com merecidos 3×1.

Nas quartas-de-final o adversário foi a Renegades. Demonstrando muito mais confiança, a MIBR levou a melhor e garantiu uma vitória por 2×0 com 16-6 na Dust 2 e 16×12 na Train.

E se na primeira-fase da IEM Katowice, TACOLD brilhou, contra a Renegades fer fez toda a diferença e os brasileiros lembraram aos adversários o porque do capitão FalleN levar o título de “Rei da Train”.

Chegando as semifinais, o Brasil enfrentou a favorita ao título Astralis e, no que muitos chamaram de final antecipada, acabou perdendo por 2×0, com 16×14 na Overpass e 16×7 na Inferno.

Apesar do resultado, a equipe brasileira mostrou sinergia e controle da situação em diversos momentos. Ambos os jogos das semifinais foram bem disputados e o que definiu o vencedor foram os rounds pistols vencidos pela equipe dinamarquesa.

A despedida da Major de Katowice não foi desanimadora e muito menos desmotivou a equipe, pelo contrário, o resultado foi apenas o start para uma nova caminhada.

Foto: MIBR/Reprodução.

O próximo compromisso da MIBR é com a WESG no meio de março. O time brasileiro já está treinando pesado para melhorar o desempenho e alcançar mais vitórias.

Uma coisa é certa, podemos esperar grandes feitos de fer, felps, cold, TACO e FalleN em 2019 afinal, tudo é mais motivador quando se está em família.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.