Pantera Negra, dos filmes mais esperados do ano, dos mais importantes do universo Marvel e o mais representativo até agora. O filme segue fazendo um sucesso estrondoso, até onde estamos escrevendo esta resenha. O filme já havia faturado mais de 300 milhões nas bilheterias mundiais e sucesso de crítica também.

Assine nossa lista de e-mails para ter novidades nerds de alta qualidade, imediatamente, assim que forem postadas

Pantera Negra se passa logo após os eventos de Guerra Civil. O Pantera volta à sua terra natal, Wakanda, um país próspero da África e após a morte do seu pai na Guerra Civil, ele é coroado rei do país. Aqui estamos diante não só de um filme representativo e importante, mas também de um bom filme de ação. Há grandes batalhas aqui. É o filme mais bonito da Marvel até agora, a diretora de fotografia é a Rachel Morrison, que está indicada ao Oscar pelo Mudbound. Há todo o trabalho de design de produção e figurino muito competentes, embora tenha um ou outro problema de CGI e alguns momentos correm o risco de ficarem datados. O filme deve ser lembrado no futuro.

Pantera Negra

Também um grande acerto é que o filme é levado a sério. A Marvel estava devendo um filme sério há alguns anos. Algumas piadas podem distrair o espectador e a seriedade da trama, mas nada como visto em Thor Ragnarok ou Doutor Estranho, por exemplo. E para fechar os problemas do filme, nas cenas de luta, a trilha sonora sobe muito em horas indevidas e pode estragar o clima que o espectador espera.

Nós sabemos que o continente africano sempre passou e passa por vários problemas como escravidão, miséria, pobreza absoluta e quem estuda história sabe que isso se dá por causa da exploração do continente, sobretudo europeia. O fato de Wakanda ser um país rico e próspero, não é à toa. Eles não permitem que outro país explore suas riquezas e essa metáfora com o mundo atual é muito poderosa. Será que a África seria um continente próspero sem a exploração européia?

Há uma cena em que um dos personagens discute isso na ONU, porque a grande base da riqueza de Wakanda é o Vibranium e ele cogita a possibilidade de dividir a riqueza com o resto do mundo. Nessa mesma cena o personagem solta uma frase que é uma claríssima crítica ao presidente americano atual: “Os sábios constroem pontes e os tolos constroem barreiras”.

Shuri

Chadwick Boseman continua maravilhoso como o herói, mas o filme não é apenas ele. Este é um dos melhores elencos dos filmes da Marvel Studios. Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar por 12 Anos de Escravidão, está ótima como sempre como o interesse amoroso do protagonista, mas engana-se quem acha que ela é só isso. Danai Gurira, a Michonne de The Walking Dead, como uma líder militar é das melhores personagens do Estúdio. Letitia Wright como a Shuri, irmã do protagonista, é a ser mais inteligente de Wakanda. É ela que cuida do Vibranium e toda a tecnologia do local. Aliás, é ela quem faz o novo uniforme do herói. Queremos ver mais sobre essa personagem.

A Marvel acertou no vilão, Michael B. Jordan tem uma grande motivação em suas ações, assim como Michael Keaton em Homem-Aranha: De Volta ao Lar. O embate dele com a protagonista lembra o de Mufasa e Scar em O Rei Leão, ou ainda a guerra ideológica de Xavier e Magneto em X-Men. O filme tem 2 cenas pós-créditos, como um legítimo filme da Marvel. Cena no meio dos créditos e no final, além de uma ponta do Stan Lee, que está bem divertida.

Pantera Negra é um filme que vai fazer o público pensar sobre o cenário atual, mas também diverte seu espectador e sem esquecer o universo que ele faz parte. Todos estão de parabéns, Ryan Coogler, ótimo diretor, como vimos em Creed, tem tudo para estourar em Hollywood. Filmaço, dos melhores da Marvel Studios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here